Pastor indiano testemunha sobre lidar com ameaças

Recentemente replicamos a conversa com Maruc*, um líder cristão indiano. Ele nunca foi agredido nem atacado por causa da sua fé, mas já recebeu muitas ameaças. Em suas palavras, “eles tiram sua paz”. Ele compartilhou conosco o incidente que realmente foi um teste para sua fé.

Como estava sendo ameaçado de morte por uma pessoa, certo dia ficou do lado de fora de casa esperando os filhos voltarem da escola, pois estava com medo de que algo ruim acontecesse. Sua esposa se aproximou dele e disse: “Por que você está parado aqui? Você nunca fez isso antes. Você está preocupado?”, ao que ele respondeu: “Sim, eu sou o pai deles”. Mas então sua esposa replicou: “Quem te trouxe para esta cidade? Se Deus te trouxe aqui, você não acha que ele vai cuidar de você?”

Maruc diz que apesar de ele ser o pastor e sua esposa ser professora universitária, ela lhe pregou um sermão em apenas uma frase, “mais poderosa do que qualquer sermão que eu já tinha pregado”, conta. Ele ficou tão tocado que entrou em casa e começou a chorar e agradecer a Deus pela companheira que havia lhe dado. Ele continuou orando nos dias seguintes, pois precisava ver a mão de Deus diante das ameaças.

Maruc compartilha: “Uma tarde eu estava orando por outra questão quando, de repente, ouvi passos no telhado. Eu já tinha ouvido esses passos muitas vezes na minha vida e sabia que era Jesus chegando no meu quarto. Eu estava tremendo em temor a Deus. Com uma voz suave, eu o ouvi dizer: ‘Filho, você nunca mais verá a pessoa que está te ameaçando’. Eu sabia que o Senhor estava falando comigo em uma voz audível”.

No dia seguinte, Maruc estava em seu gabinete na igreja quando um amigo chegou e perguntou o que tinha acontecido com a pessoa que o ameaçava. Maruc respondeu que seus problemas estavam resolvidos, pois não iria vê-lo de novo. No mesmo momento, o ameaçador entrou na igreja. “Eu fiquei aterrorizado. Deus me disse que nunca o veria novamente. Será que entendi errado?”, pensou.

O homem que o ameaçava disse: “Eu não vou voltar, pois você está acabado, vou atirar em você e te matar” e saiu. Maruc ficou quieto, apenas orando. Hoje ele conta que, como Deus havia dito, ele não viu mais o ameaçador depois disso. “Os telefonemas pararam, as ameaças pararam, as visitas pararam e ele não enviou nenhuma outra pessoa atrás de mim. E tudo o que sei é que, a não ser que Deus permita, ninguém tem o poder de nos tocar”.

*Nome alterado por segurança.

Fonte: Portas Abertas