Palavras `mãe´ e `pai´ são proibidas em documentos escolares na França

De acordo com a emenda aprovada no Parlamento Francês, como parte da lei “Escolas de Confiança” do país, as escolas no  país deverão substituir as palavras “mãe” e “pai” por “Pai 1” e “Pai 2” nos documentos escolares oficiais franceses.

O argumento é que a ação fará “reduzir a discriminação enfrentada por pais do mesmo sexo”. A emenda descreve que “para evitar a discriminação, a matrícula escolar, os registros de classe, as autorizações parentais e todos os outros formulários oficiais envolvendo crianças devem mencionar apenas os pais 1 e 2”.

A proposta encontra adversários fora e dentro do governo federal, e está sendo relacionado à ideologia de gênero, que tem avançado no país.

A parlamentar Valérie Petit, do partido Republique en Marche (REM) do presidente Emmanuel Macron, acredita que “esta emenda visa enraizar a diversidade da família das crianças nas formas administrativas apresentadas na escola”.

Já, Jean-Michel Blanquer, ministro da Educação de Macron, é contrário à lei, e afirma que se tratava de um aumento legislativo.

O Senado da França pode rejeitar a medida, mas Assembleia Nacional é quem dará a leitura final.

Um caso relacionado, aconteceu em 2018 na Alemanha. O governo aprovou uma lei que permite um terceiro gênero na certidão de nascimento, e dá a possibilidade dos bebês serem registrados como “diversos”, não precisando especificar se são masculinos ou femininos.

Fonte: CPADNews