Opressão islâmica atinge a Igreja no Norte da África

De acordo com Aziz*, cristão marroquino, a mídia passa uma falsa imagem da igreja. Eleafirma: “Eles dizem que a igreja é algo estranho e que muitos vão à igreja por dinheiro ou porque querem sair do país. Alegam que as pessoas não ligam para a religião em si, mas querem se casar com um estrangeiro. Mas isso não se aplica a mim e a Halima*, pois estamos em uma situação financeira mais difícil e não queremos deixar o país. Temos um alto nível de ensino, um bom nível de conhecimento sobre o islamismo e cristianismo e somos casados. A mídia nos ataca, mas não está dizendo a verdade”. Isso também acontece em outros países do Oriente Médio.

Halima, outra cristã do Marrocos com quem conversamos, continua dizendo: “Às vezes eu desejo que a perseguição desapareça do nosso país. A perseguição é como o Drácula, que suga a vida da igreja”. É através da oração e envolvimento da igreja livre que cristãos perseguidos do Norte da África e Oriente Médio sabem que não estão sozinhos.

Há muitas formas de apoiar esses irmãos e irmãs que vivem no contexto de opressão islâmica, uma delas é preparando-os para a perseguição através dos nossos cursos. Em algumas situações, eles precisam ir para um lugar seguro por algum tempo, o que a Portas Abertas também providencia em alguns países. Outra forma de atuação é advogar em favor de prisioneiros que são falsamente acusados por causa da fé cristã. Não deixe de orar e apoiar esses cristãos perseguidos que estão dispostos a passar por tudo para seguir a Jesus em países onde todos os cidadãos são considerados muçulmanos.

*Nomes alterados por segurança.

Fonte: Portas Abertas