Estudo Revela: Casais que vão juntos à igreja são muito mais felizes

O Instituto de Estudos da Família divulgou nesta quinta-feira (11), os resultados de uma pesquisa, na qual os dados apontam que casais que vão juntos à igreja são mais felizes que quando apenas o homem, apenas a mulher ou até mesmo nenhum dos dois participa dos cultos.
Intitulado “Melhor Juntos: Participação Religiosa, Sexo e relacionamento de qualidade”, o estudo da autoria de W. Bradford Wilcox – diretor do projeto ‘National Marriage’ na Universidade da Virgínia (EUA) e Nicholas H. Wolfinger, professor no Departamento de Família e Estudos do Consumidor e Professor Adjunto de Sociologia na Universidade de Utah.
“78% dos homens e mulheres entre os casais que vão regularmente aos cultos juntos relatam que eles estão ‘muito satisfeitos’ ou ‘muito felizes”, indica o estudo.
“Por outro lado, 67% dos homens e mulheres em relacionamentos onde nenhum dos dois frequentam os cultos, afirmam que estão felizes. Além disso, apenas 59% das pessoas entre casais nos quais apenas a mulher freqüenta regularmente os cultos, relatam que eles estão muito felizes. Claramente, a frequência aos cultos em conjunto está associada à satisfação dos casais diante da qualidade do relacionamento”, acrescentou.
Os números também indicaram que muitos casais avaliam bem a relação quando apenas o homem participa dos culto. Segundo Wilcox e Wolfinger isso poderia ser explicado pelo conteúdo dos cultos.
“Nossas descobertas sugerem que a prática religiosa dos homens é particularmente benéfica para os seus relacionamentos, talvez em parte por causa igrejas, sinagogas, mesquitas e templos serem algumas das poucas instituições na sociedade norte-americana que dediquem seus esforços a incentivar os homens a investirem em suas famílias”, continuou o estudo.
Esta não é a primeira vez que Wilcox apresenta uma pesquisa que indica uma conexão entre relações saudáveis ​​e participação nos cultos.
Em 2008, Wilcox descobriu que os casais norte-americanos que vão à igreja juntos estavam mais propensos a se descrevem como “mais felizes” que os americanos que não frequentam a igreja regularmente.
Esse estudo anterior de Wilcox foi intitulado ‘Inquérito Social Geral, a Pesquisa Nacional de Famílias e Domicílios e da Pesquisa Nacional de Crescimento Familiar’.
Apesar da pesquisa feira por Wilcox, outros especialistas apontaram para outros estudos como os feitos pelo grupo Barna, que encontraram uma taxa elevada de questões de divórcio e de relacionamento entre os grupos religiosos como os protestantes evangélicos.
Wilcox e Wolfinger abordam esta questão perto do início do estudo “Better Together”, argumentando que os estudos mostram isso, não como um fator na prática religiosa, mas apenas a uma afiliação nominal.
“Estes estudos não nos dão a imagem completa: afiliação religiosa é menos importante que a prática religiosa regular, quando se trata de prever o divórcio”, dizia o estudo divulgado quinta-feira.
“Na verdade, o sociólogo Charles Stokes constata que nominais protestantes evangélicos são mais propensos a divorciar-se que a média pessoa casada, enquanto os evangélicos que de fato vão à igreja são menos propensos ao divórcio”.

Fonte :Christian Post