Cristãos da Nigéria podem ser extintos em menos de 25 anos, alertam líderes locais

Líderes cristãos nigerianos advertiram que, se a atual taxa de massacres continuar e centenas de fiéis forem mortos a cada mês, a nação mais populosa da África está prestes a ter sua população cristã dizimada até 2043. O alerta foi feito após a morte de 86 pessoas causada pelos extremistas fulanis, em ataques a fazendeiros cristãos.

Bosun Emmanuel, secretário do Fórum National Christian Elders, falou em uma recente conferência em Lagos, onde a administração do presidente Muhammadu Buhari foi acusada de “perseguir abertamente cristãos que resultou em inúmeros assassinatos em todo o país e destruição de comunidades cristãs vulneráveis”. As informações são do site Punch.

“Verdadeiramente falando, o cristianismo está à beira da extinção na Nigéria. A ascendência da ideologia da Sharia na Nigéria representa o número de mortos da Igreja nigeriana”, disse Emmanuel, pedindo que a Associação Cristã da Nigéria seja reestruturada para poder falar melhor sobre o cristianismo no país.

Embora os cristãos representem quase metade dos 186 milhões de habitantes, há quase uma década eles são fortemente alvos de grupos extremistas islâmicos, como o Boko Haram e, mais recentemente, dos semi-nômades.

“Podemos dizer que daqui 25 anos, estamos correndo o risco de sermos os últimos cristãos na Nigéria. Portanto, os cristãos devem estar na linha de frente da defesa da democracia na Nigéria”, advertiu Emmanuel.

“A Igreja é o bastião da democracia. Divididos não podemos defender a democracia e promover a justiça. Consequentemente, a Sharia se fortalecerá. À medida que a Sharia se fortalece, a democracia se enfraquece e a Igreja definha”, ressaltou.

Violência

Buhari, que é de origem Fulani, insistiu que seu governo está tentando impor a paz, mas centenas de cidadãos estão sendo mortos a cada mês devido a choques e ataques.

AFP informou que 86 pessoas foram mortas em outro ataque Fulani na área de Barikin Ladi, no estado de Plateau, na semana passada, supostamente em retaliação aos fazendeiros de Berom, que lutavam contra os pastores.

O comissário de polícia estadual Undie Adie disse que, além das 86 pessoas mortas, outras 50 casas foram destruídas. Buhari disse que “apela à calma e garante que nenhum esforço será poupado” para levar os agressores à justiça.

“A perda dolorosa de vidas e propriedades decorrentes dos assassinatos em Plateau hoje é dolorosa e lamentável”, acrescentou. Ainda assim, líderes cristãos criticaram a sentença de cinco cristãos até a morte no início de junho por causa da morte de um pastor Fulani.

Os cinco homens foram informados pelo Supremo Tribunal de Yola que eles vão enfrentar a pena de morte por suas ações, no que alguns políticos, como Femi Fani-Kayode, o ex-ministro da aviação, disseram que eram em legítima defesa.

O Supremo Conselho dos Bispos, também conhecido como Conselho Mundial dos Bispos, disse em uma carta a Buhari que nem um único fulani recebeu uma sentença semelhante, apesar dos milhares de cristãos mortos. “Até a data, nenhuma justiça adequada foi concedida a eles, compatível com a vida e a propriedade perdidas”, escreveram os bispos.

Fonte: Guia-me