Capelão diz que políticos estão se achegando a Deus, nos EUA: `Eles acreditam na oração´

O Congresso dos Estados Unidos está sendo cada vez mais impactado pela atuação dos capelães, pastores que atuam como ministros religiosos em tempo integral da Câmara.

No Senado americano, o capelão Barry Black lidera um grupo de 7 mil pessoas — são todos os 100 senadores juntamente com seus funcionários. Ele realiza aconselhamentos, casamentos, funerais, e até mesmo estudo bíblico semanal. Ele também abre cada sessão do Senado com uma oração.

Como capelão do Senado, Black tem uma compreensão maior dos desafios e pressões enfrentados pelos senadores. “Eu estou envolvido em suas vidas”, disse ele. “Minhas orações refletem suas aspirações, seus sonhos, seus desejos, os desafios que enfrentam e as soluções para os problemas que estão enfrentando”.

Muitos americanos temem que a oração esteja morrendo nas salas governamentais da nação, mas Black esclarece a questão. “A ideia de que as pessoas que estão envolvidas no governo não têm uma conexão com Deus é uma falha. Certamente, há senadores moralmente e espiritualmente aptos, e funcionários no Capitólio que acreditam na oração, eles jejuam e oram”, conta.

“Há alguns legisladores que já estiveram interessados em seguir seu ministério. Existem legisladores que são pregadores ordenados e também há legisladores cuja espiritualidade são mais intensas do que a minha própria”, considera Black.

Black serviu 27 anos como líder religioso na Marinha dos EUA, e atua como capelão no Senado há 14 anos. Enquanto ele se dedica a fortalecer a fé dos políticos americanos, ele sabe que é alvo de muitas orações.

“Eu vejo a nação orando tempo todo, às vezes, grupos de indivíduos, orando o tempo todo por mim”, disse o capelão. “Eles estão aqui para demonstrar às forças do mal que elas não podem ganhar. Maior é Ele que está em nós, do que aquele que está no mundo”.